contato@drluispollon.com.br

+55 (11) 98555-0999

+55 (11) 5181-4333

Dicas | Saúde

Neuromuscular

A escoliose neuromuscular pode ser secundária a uma série de transtornos subjacentes, e os pacientes apresentam anormalidades sensitivas variáveis, paralisias, progressivas ou não progressivas. Entretanto, comum a todas essas manifestações é um estado paralítico resultando e deformidades dos membros e da coluna vertebral. A seguir, uma classificação abreviada:

1. Neuropática
a. Lesão à medula espinhal: Escolioses ocasionadas a partir de uma lesão na medula, tendo como causa algum fator congênito ou traumático
b. Poliomielite: As curvas em casos de poliomielite podem afetar qualquer parte da coluna vertebral, inclusive o pescoço; podem assemelhar-se ao tipo idiopático (de causa desconhecida) ou aos casos das outras curvas paralíticas.
c. Transtornos neurológicos progressivos: É o caso da escoliose paralítica em seguida à poliomielite, sempre cursando com controle difícil por meio de coletes e quase nunca param de progredir após o desenvolvimento esquelético.
d. Siringomielia: Cerca de 82% das crianças portadoras desta doença apresentam escoliose como deformidade secundária, geralmente na região torácica, mais comuns no sexo masculino.
e. Mielomeningocele: Devido ao avanço das técnicas cirúrgicas, as crianças portadoras desta patologia têm sobrevivido por um período maior. Consequentemente, um maior número de pacientes têm apresentado escolioses relacionadas a esse tipo de patologia.Trata-se de uma grave deformidade da coluna vertebral, de natureza progressiva e rígida, quase sempre ocasionando uma dificuldade de adaptação da cadeira de rodas ou mesmo no leito da criança.
f. Paralisia cerebral: Frequentemente a escoliose passa despercebida em pacientes com paralisia cerebral, mas sabe-se que entre 23 e 38% dos pacientes apresentam algum grau de escoliose até a adolescência.

2. Miopática
a. Artrogripose: Nos casos de artrogripose múltipla congênita, a escoliose é sempre secundária à anormalidade dos músculos e ligamentos e não a uma anormalidade da estrutura óssea.
b. Distrofia muscular: Raramente ocorre em pacientes que andam, ocorrendo sempre após 1 a 3 anos de existência numa cadeira de rodas. Tem uma característica de progressão acentuada, formando deformidades graves.
3. Neurofibromatose: Têm curvas com características variáveis, com sua principal característica na pele, com as chamadas “manchas café com leite”.
4. Outras causas: Em displasias epifisárias múltiplas (alterações nas regiões do crescimento das vértebras), em doenças dos ossos como a osteogênese imperfeita

SP — CAPITAL: CLÍNICA TESF:

(11)5181-4333 / 98555-0999
contato@drluispollon.com.br R. Alexandre Dumas 629 - Chácara Santo Antônio